Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/5573
Título: O conetivismo e as suas implicações nas noções de aprendizagem e conhecimento
Autor: Pereira, Maria Clara Monteiro Cardoso
Orientador: Mendes, António Quintas
Palavras-chave: Educação
Teoria da educação
Aprendizagem
Conetivismo
MOOCs
Connectivism
MOOC
Learning
Knowledge
Education
Data de Defesa: 28-Jul-2016
Citação: Pereira, Maria Clara Monteiro Cardoso - O conetivismo e as suas implicações nas noções de aprendizagem e conhecimento. [S.l.] : [s.n.], 2015. 121 p.
Resumo: Esta dissertação aborda, de um ponto de vista crítico, a teoria do Conetivismo à luz dos seus princípios e das respetivas implicações na visão tradicional de aprendizagem e de conhecimento. A tese foi desenvolvida tendo em conta uma metodologia de revisão bibliográfica das publicações mais relevantes da autoria dos principais representantes do Conetivismo, nomeadamente George Siemens e Stephen Downes, estando sempre subjacente a preocupação em não apresentar apenas mais um estudo sintetizador da teoria, mas simultaneamente uma visão crítica do Conetivismo. Enquanto teoria de aprendizagem para uns, mera perspetiva epistemológica para outros, o Conetivismo tem assumido um papel crescente no debate acerca daquilo que entendemos por aprendizagem em rede e das suas implicações nos estatutos tradicionais do conhecimento e da aprendizagem e até do papel dos educadores e dos alunos. Alvo de reconhecimento para uns, de críticas para outros, o Conetivismo está ainda a dar os primeiros passos no desenvolvimento de uma visão epistemológica inovadora, principalmente no que diz respeito à partilha em rede, à aprendizagem centrada em comunidades online, regidas por interesses e objetivos comuns, onde a auto-aprendizagem é fundamental. Mas que consequências traz esta nova forma de encarar a aprendizagem? Até que ponto o Conetivismo é uma teoria que vai mais além das teorias de aprendizagem anteriores? Passaremos a encarar o conhecimento de modo diferente a partir daqui? Qual o verdadeiro alcance dos MOOC, cada vez mais em voga?
This paper addresses, from a critical point of view, the theory of Connectivism in light of its principles and the respective implications in the traditional view of learning and knowledge. The thesis has been developed from a review of relevant publications by the leading representatives of Connectivism, including George Siemens and Stephen Downes. It has also been a concern not to present just another study of synthesizing theory, but also a critical view of Connectivism. Whether learning theory, or a mere epistemological perspective, Connectivism has assumed an increasing role in the debate about what we mean by network learning and its implications in the statutes of the traditional knowledge and learning, and even in the role of educators and students. Target of recognition for some and target of criticism for others, Connectivism is still taking its first steps in developing an innovative epistemological view, especially with regard to network sharing; that is, learning-centered online communities, which are governed by common interests and goals, and where self-learning is fundamental. But what consequences does this new way of thinking about learning bring? To what extent is Connectivism the theory that goes beyond the theories of prior learning? Will we face knowledge differently from now on? What is the real reach of the MOOC, increasingly in vogue?
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/5573
Designação: Dissertação de Mestrado em Comunicação Educacional Multimedia apresentada à Universidade Aberta
Aparece nas colecções:Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia / Master's Degree in Multimedia Educational Communication - TMCEM

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TMCEM_MClaraPereira.pdf669,59 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.