Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/706
Título: Imigrantes em Portugal : filhos ou enteados de uma nova nação?
Autor: Anes, Cesaltina Maria da Luz Silva
Orientador: Ramos, Natália
Palavras-chave: Sociologia da saúde
Sociologia das migrações
Comunicação intercultural
Interculturalismo
Imigração
Imigrantes
Integração
Aculturação
Cuidar
Portugal
Portuguese culture
Immigration
Emigration
Acculturation
Interculturality
Intercultural relationship
Multicultural health care
Data de Defesa: 2006
Citação: Anes, Cesaltina Maria da Luz Silva - Imigrantes em Portugal [Em linha] : filhos ou enteados de uma nova nação?. Lisboa : [s.n.], 2006. 223 p.
Resumo: As migrações têm estado presentes na história da humanidade desde os tempos mais remotos, só se tornando objecto de estudo dos vários ramos da ciência quando as deslocações territoriais passaram a ser feitas em número considerável e com repercussões significativas a nível político, cultural, social e económico quer no país de origem como no país de acolhimento. Sendo este um processo complexo e multifacetado, a sua etiologia é variada podendo englobar motivações de ordem política, de emergência, étnicas, sociais e económicas. No entanto as últimas, causadas pelas acentuadas diferenças entre os níveis de desenvolvimento e de riqueza entre os países parecem ser a causa principal que leva as pessoas a optarem pela emigração. Forçados a abandonarem as suas famílias, quebrando os laços familiares e culturais presentes desde sempre, os migrantes vêem-se obrigados a terem de aprender novas realidades culturais e sociais, na maioria das vezes sem qualquer tipo de apoio, a viverem em condições de extrema pobreza, em habitações degradadas e sem saneamento básico, excluídos da sociedade de acolhimento e sendo vítimas de práticas discriminatórias. Este conjunto de factores podem originar graves problemas físicos, mentais e emocionais e cujas manifestações, muitas vezes apenas se tornam visíveis decorridos alguns anos. Portugal, um país de natureza emigratória, tem vindo a receber um número considerável de imigrantes desde a segunda metade da década de 70. Sem uma política de imigração definida e consistente, tem sido particularmente difícil fazer face aos problemas resultantes desse crescimento cultural e social. Sendo frequentemente apontados como a principal causa do desemprego, da criminalidade e da crise sócio-económica que o país atravessa, os imigrantes são encarados com desconfiança e preconceito. As suas poucas ou nenhumas qualificações académicas, a urgência em auferir algum rendimento vitais à sobrevivência, aliadas à ilegalidade, forçam-nos a aceitar todo o tipo de trabalho, quase sempre os menos diferenciados, fazendo deles alvos fáceis de exploração e maus-tratos. isando conhecer e compreender o percurso migratório e os principais problemas dos imigrantes de diferentes nacionalidades no distrito de Lisboa, este estudo teve como objectivos: Conhecer as motivações que levaram o migrante a «abandonar» o seu país de origem Identificar quais os problemas encontrados no país de acolhimento a nível social, sanitário, educativo, económico e laboral Perceber que estratégias de adaptação foram utilizadas para fazer face a estes problemas Identificar quais os problemas de saúde mais comuns e perceber qual a sua relação com a pessoal de saúde dentro das unidades de saúde. Para os atingir foi realizado um estudo exploratório, descritivo, indutivo e transversal, baseado numa abordagem qualitativa. A aplicação de um inquérito por entrevista, semi-estruturado permitiu saber a Cesaltina Maria da Luz Silva Anes a versão do imigrante relativamente à sua vivência de ser imigrante em Portugal mais concretamente em Lisboa. Principais conclusões: Portugal é o país de primeira escolha para a grande maioria dos participantes, por questões de afinidade linguística, cultural e pela pouca severidade relativamente à imigração, em particular à imigração ilegal O factor económico é o principal motivador do processo migratório Os principais problemas encontrados pelos participantes: A língua – o seu desconhecimento ou fraco domínio, condicionam relações sociais e profissionais A burocracia – referida por muitos como excessiva e extensiva a quase todas as áreas A discriminação – presente ou não, consoante o país de origem fazendo-se notar a nível social, profissional, cultural e instituciona
Migrations have been happening in human history ever since the beginning of times, but have only become object of scientific studies, when human flows reached significant proportions, with political, cultural, social and economic consequences in both original and destination countries. There are various causes for migration (political, emergency, ethnical, social, economic, etc.) but the economic ones are suggested as the main cause. Migrants are forced to leave their families behind, breaking the bonds with their culture and having to learn and integrate new realities. They do this mostly on their own. The fact that they are forced to live in degraded houses with no sanitation conditions, many times in extreme poverty, excluded from society and being victims of discrimination, can cause serious physical, mental and emotional problems. Portugal is an emigration country by nature. However it has been receiving a considerate number of immigrants since the mid seventies. With no political immigration policy, it has been difficult to face the problems resulting from this cultural and social outgrowing. Often seen as the cause of unemployment, criminality and the financial crisis the country is going through, migrants are looked upon with mistrust and prejudice. With few academic and/or professional skills and with no legalization papers, they are forced to accept all kind of work, usually the least differentiated, becoming easy targets for exploitation and abuse. With this present study, we want to learn and understand the migration path and the main problems that immigrants of different nationalities face in Lisbon. Our aims are: To understand what drove them to leave their countries Identify the main problems they face, in the country of destination at social, sanitarium, educational, economical, labor and cultural levels Learn about the adaptation strategies they use to face these problems Identify what were the most common health problems they faced and how is their relationship with the caregivers within health facilities. To achieve them, we conducted an exploratory, descriptive, inductive and transversal study, based on a qualitative methodology, using semi-structured interviews as data collection methods. With this methodology we were able to learn about their own version of what it is like to be a migrant in Portugal-Lisbon. Cesaltina Maria da Luz Silva Anes Conclusions: Portugal is the country of choice for most of the immigrants studied. Economic reasons are the main cause of immigration. Immigrants main problems: Language Extensive official procedures Discrimination
Descrição: Dissertação de Mestrado em Comunicação em Saúde apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/706
Aparece nas colecções:Mestrado em Comunicação em Saúde / Master's Degree in Health Communication - TMCS

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
LC227.pdf2,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.