Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/4634
Título: A questão das primeiras ocupações humanas do território português, no quadro europeu e cuircum-mediterrânico: história das investigações, situação actual, perspectivas futuras
Autor: Raposo, Luís
Cardoso, João Luís
Palavras-chave: Pré-acheulense
Portugal
Europa
Região circum-mediterrânea
Data: 2000
Citação: Raposo, Luís; Cardoso, João Luís - A questão das primeiras ocupações humanas do território português, no quadro europeu e cuircum-mediterrânico: história das investigações, situação actual, perspectivas futuras. "Estudos do Quaternário" [Em linha]. ISSN 0874-0801. Nº 3 (2000), p. 57-72
Resumo: Desde os trabalhos de H. Breuil e G. Zbyszewski na década de 1940, tendo por finalidade o reconhecimento e caracterização das formações quaternárias do litoral da Estremadura portuguesa e da parte vestibular do vale do Tejo (BREUIL & ZBYSZEWSKI, 1942, 1945), que se considerava a existência de indústrias arcaicas no litoral português, descritas como «lusitanianas» (fácies particular do Acheulense dominado por seixos afeiçoados), cuja antiguidade poderia ascender até o Siciliano (ca. 900 000 anos a 1 M.A.). Durante os anos 70 e os inicíos da década seguinte, a retoma das investigações confirmou, e mesmo alargou, as observações precedentes. falou-se, nessa altura, da existência de um verdadeiro horizonte de seixos afeiçoados («pebble-culture»), culturalmente pré-acheulense e cronologicamente muito antigo, talvez calabriano (ca. 1,5 M. A.). estas ideias foram postas em causa, e mesmo rejeitadas por trabalhos de síntese realizados na segunda metade da década de 1980 e durante a década seguinte. Segundo esta perspectiva, nem os sítios portugueses, nem as respectivas colecções, constituiriam provas válidas da presença humana antes do Plistocénico Médio, a qual, culturalmente, corresponderia ao Acheulense. nesta comunicação, os autores apresentam uma sistematização dos argumentos defendidos por ambas as partes, reconhecendo a existência de observações pertinentes nos dois campos, as quais serão valorizadas numa perspectiva geográfica, cronológica e cultural alargada, na qual deverão ser integradas. A este respeito, sublinha-se que a confirmação recente de horizontes de ocupação humana do Plistocênico Inferior no sul e centro da Península Ibérica constitui justificação acrescida para o desenvolvimento dos trabalhos em Portugal, na procura de elementos estratigráficos, paleontológicos e culturais mais consistentes do que os actualmente disponíveis, consuzindo por outro lado à selecção de sítios que justifiquem escavações arqueológicas, para além dos locais mais promissores, de entre os já conhecidos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/4634
ISSN: 0874-0801
Aparece nas colecções:História, Arqueologia e Património - Artigos em revistas nacionais / Papers in national journals



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.