Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/3404
Título: A política externa e de segurança comum da União Europeia : Portugal, país atlântico ou país europeu
Autor: Bugia, João Manuel da Silva
Orientador: Fontes, José
Palavras-chave: União Europeia
Política externa
Defesa
Segurança
Estados membros
Oceano Atlântico
European Union
PESC
Foreign and Common Security Police
Atlantic Portugal
European Portugal
Data de Defesa: 2014
Citação: Bugia, João Manuel da Silva - A política externa e de segurança comum da União Europeia [Em linha] : Portugal, país atlântico ou país europeu. Lisboa : [s.n.], 2014. 175 p.
Resumo: O reconhecimento de Portugal enquanto nação mundial sempre se pautou por uma dúvida que ainda persiste nos nossos dias. O seu posicionamento geostratégico potencia que tal dúvida permaneça e subsista. Referimo-nos ao eterno dilema terra-mar, isto é, Portugal é afinal um país europeu ou um país atlântico. Nessa perspetiva e para procurar responder a tal questão, objetivo central deste trabalho, é efetuada uma análise aos factos que condicionaram e moldaram as diferentes abordagens levadas a efeito pelo país. Portugal, apesar de geograficamente inserido no continente europeu, preferiu o atlântico como vetor de abordagem fundamental para a sua existência enquanto país e para a sua afirmação no mundo, em detrimento da Europa. Só após a sua adesão à União Europeia em 1 de Janeiro de 1986, se pôde colocar a hipótese de Portugal ser um país europeu, sem que, no entanto, esse facto seja condicionador da opção atlântica. A construção do que é hoje a União Europeia (atualmente constituída por 28 Estados-membros), resultou fundamentalmente da necessidade que alguns Estados sentiram na promoção de uma paz que se desejava duradoira. É pois, a partir desse princípio que a construção da União Europeia se vai consolidando e afirmando sendo relevante os diversos tratados que lhe deram forma e características próprias. A Política Externa e de Segurança Comum, instituída pelo Tratado de Maastricht e agilizada pelo Tratado de Amesterdão, pretende vir a ser um dos principais vetores dessa construção, essencial não só no panorama da Defesa e Segurança da União Europeia, mas também na afirmação desta em termos internacionais. Partindo desse pressuposto, a participação de Portugal no âmbito da Política Externa e de Segurança Comum da União Europeia deve assim ser entendida numa dupla vertente, ou seja, por um lado, a de país europeu integrante da União Europeia e por outro lado, a de um país historicamente atlântico, sendo que ambas se complementam. Portugal deve pois, fazer uso dos saberes adquiridos através do atlântico para cimentar a sua posição na União Europeia, ao mesmo tempo que deve utilizar o seu estatuto enquanto Estado-membro como forma de potenciar as relações atlânticas.
The recognition of Portugal as a global nation has always been guided by a question that still persists nowadays. Its geostrategic position helps to potentiate that such question remains. We refer to the dilemma land and sea, that is, whether Portugal is a European country or an Atlantic country. In this perspective and to try to answer this question, the central objective of this work, we will analyze the facts that have conditioned and shaped the different approaches undertaken by the country. Portugal, although geographically inserted on the European continent, chose the Atlantic as central vector to its existence as a country and its affirmation in the world, on detriment of Europe. Only after joining the European Union on January 1, 1986, the hypothesis that Portugal is a European country arose, however, this fact does not affect the Atlantic option. The construction of what is now the European Union (currently comprising 28 Member States), resulted primarily from the need that some states felt in promoting a lasting peace that was desired. It is therefore from this principle that the construction of the European Union is consolidating and affirming being relevant the various treaties that gave it shape and specific characteristics. Foreign and Common Security Policy established by the Maastricht Treaty and streamlined by the Amsterdam Treaty, aims to become one of the main vectors not only essential in the panorama of the Defence and Security of the European Union, but also in its affirmation in international terms. Based on this assumption, the participation of Portugal in the sphere of the Foreign and Common Security Policy of the European Union should therefore be understood in two directions, i.e., one part of a European country member of the European Union and, on the other hand, of a historically Atlantic country. Both parts complement each other. Portugal should use the knowledge acquired through the Atlantic to strengthen its position in the European Union, and, at the same time, it should use its status as a Member State in order to maximize the Atlantic relations.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Estudos sobre a Europa apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/3404
Aparece nas colecções:Mestrado em Estudos sobre a Europa / Master's Degree in Studies on Europe - TMESE

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TMESE.pdf1,57 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.