Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/2647
Título: A Índia de 1498 a 1505 : uma visão de João de Barros
Autor: Morais, Maria João Segura Gonçalves
Orientador: Avelar, Ana Paula
Palavras-chave: Barros, João de, 1496-1570
Literatura portuguesa
Descobrimentos portugueses
Índia
João de Barros
"Decades"
India
Portuguese domain
Data de Defesa: 2013
Citação: Morais, Maria João Segura Gonçalves - A Índia de 1498 a 1505 [Em linha] : uma visão de João de Barros. Lisboa : [s.n.], 2013. 187 p.
Resumo: As construções históricas no contexto do humanismo português são variadíssimas. O interesse por tão fecundo tema como “Os Descobrimentos” é acompanhado por uma difusão de autores, empenhados em defender a reforma total do homem, acentuando-lhe o seu valor na Terra e dando primordial importância a tudo o que o possa tornar conhecido para a posteridade. João de Barros, autor português do século XVI, profundamente imbuído do espírito Renascentista, sente dentro de si a necessidade de dar a conhecer ao mundo os grandiosos feitos que os Portugueses tinham realizado em terras do Oriente e que corriam o risco de ficarem no esquecimento, caso não houvesse alguém que os divulgasse. (Lembremos que diversos autores afloram este tema, ao longo do mesmo século). É justamente a sua grandiosa obra, “As Décadas” o alvo desta pesquisa, balizada entre o Livro IV e o Livro VIII, da Década I, de 1498, com a chegada à Índia de Vasco da Gama, a 1505, com a entrada do primeiro Vice-Rei D. Francisco de Almeida. O que aconteceu ao longo desses sete anos? Como os portugueses engendraram as primeiras teias de um grande domínio? Como encetaram o grande objectivo de assegurar o monopólio do comércio das especiarias no Oceano Índico? Qual a receptividade dos soberanos nativos da cobiçada região? O estudo que nos propomos fazer é, exactamente, uma reflexão, sob a voz de João de Barros, acerca das primeiras interacções dos portugueses na Índia que permitiram, anos mais tarde, denominar aquele riquíssimo território como “O Império Português do Oriente”.
The historical constructions in the context of Portuguese humanism are very varied. The interest in so fruitful theme as "The Discovery" is accompanied by an outbreak of writers committed to upholding the reform of man, accentuating his value on Earth and giving paramount importance to all that may become known to posterity. João de Barros, Portuguese author of the sixteenth century, deeply imbued with the spirit of the Renaissance, feels within him the need to inform the world the great deeds that the Portuguese had done in the East and were in danger of being forgotten, if they were not disclosed. (Note that several authors came up with the subject over the same century). It is precisely his great work, "The Decades" the purpose of this investigation, limited between Book IV and VIII of Decade I, of 1498, with the arrival in India from Vasco da Gama in 1505, with the entry of the first viceroy D. Francisco de Almeida. What happened during those seven years, as the Portuguese begun the construction of a large domain? How they achieved the great aim of ensuring the monopoly of the spice trade in the Indian Ocean? Which was the receptivity of the native rulers of the area desired? The study we propose to do is exactly a reflection in the voice of João de Barros, about the first interaction of the Portuguese in India that allowed, years later, call that rich territory as "The Portuguese Empire in the East”
Descrição: Dissertação de Mestrado em Estudos Portugueses Multidisciplinares apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/2647
Aparece nas colecções:Mestrado em Estudos Portugueses Multidisciplinares / Master's Degree in Multidisciplinary Portuguese Studies - TMEPM

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Maria_Joao_Morais_TMEPI.pdf2,24 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.