Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/2562
Título: Educação para a saúde e intervenções terapêuticas nas equipas de cuidados continuados integrados : um estudo em agrupamentos de centros de saúde da região de Lisboa
Autor: Lucas, Pedro Ricardo Martins Bernardes
Orientador: Ramos, Natália
Palavras-chave: Psicologia
Psicologia clínica
Psicologia da saúde
Cuidados continuados integrados
Comunicação em saúde
Educação para a saúde
Centros de saúde
Estudo de casos
Lisboa
Health education
Long-term care
Integrated continuous care
Primary health care
Health communication
Data de Defesa: 2012
Citação: Lucas, Pedro Ricardo Martins Bernardes - Educação para a saúde e intervenções terapêuticas nas equipas de cuidados continuados integrados [Em linha] : um estudo em agrupamentos de centros de saúde da região de Lisboa. Lisboa : [s.n.], 2012. XXVI, 383 p.
Resumo: A Educação para a Saúde (EpS) constitui uma actividade importante no quotidiano das práticas dos profissionais de saúde. As alterações demográficas, epidemiológicas e sociais que têm ocorrido nas últimas décadas, têm originado mudanças nas necessidades de cuidados de saúde da população. A crescente necessidade de existirem respostas adequadas, ética e financeiramente sustentadas, para fazer face a um bom desempenho dos Sistemas de Saúde, tem vindo a sugerir o estabelecimento de parcerias intersectoriais e multidisciplinares para a prestação de cuidados de longa duração, dirigidos a indivíduos dependentes. Na sequência das preocupações de sustentabilidade do sistema surgem as altas hospitalares precoces, que determinam o incremento da importância dos cuidados de saúde prestados no domicílio. Este é apresentado como local ideal de cuidados na perspectiva da continuidade dos mesmos, nomeadamente ao ser integrado na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Os Cuidados Continuados Integrados surgiram como uma estratégia para dar resposta ao aumento das necessidades de cuidados de saúde, de forma sustentável. As reformas desenvolvidas neste âmbito atribuem responsabilidades às Equipas multidisciplinares de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES). Com este estudo pretendeu-se: identificar as actividades em EpS que são realizadas nos ACES da região de Lisboa, ao nível da sua importância, conceito, actividades efectuadas, dificuldades e condicionantes organizacionais da EpS; identificar características dos profissionais de saúde das ECCI dos ACES da região de Lisboa; descrever os aspectos relacionados com a formação das ECCI ao nível geral, em EpS e necessidades de formação; e caracterizar as intervenções terapêuticas dos profissionais de saúde das ECCI junto dos utentes dependentes no seu domicílio. Para a consecução destes objectivos delineou-se um estudo observacional, descritivo e exploratório com abordagem quantitativa e qualitativa. A população deste estudo foram os profissionais de saúde das equipas multidisciplinares domiciliárias dos doze ACES da região de Lisboa, que resultaram do agrupamento dos trinta e oito antigos Centros de Saúde que foram reorganizados na reforma dos Cuidados de Saúde Primários de 2008. Foi também participante do estudo, um grupo de utentes do Centro de Saúde de Mafra e outro grupo do Centro de Saúde da Pontinha, que são abrangidos pelas ECCI dos respectivos ACES. Os instrumentos utilizados na colheita de dados foram questionários e entrevistas semiestruturadas. Os resultados evidenciaram que os profissionais de saúde que pertencem às ECCI atribuem muita importância à EpS. Ao nível do desempenho em EpS, o aspecto mais valorizado foi aquele que considera que é uma actividade que deve ter em conta o interesse e as necessidades dos indivíduos. Concluiu-se ainda que os profissionais consideram que deve ser dada a mesma importância à EpS e às actividades de tratamento. Também se verificou que tendencialmente se realizam muitas vezes actividades de EpS, embora apenas algumas vezes estas sejam planeadas. Este estudo permitiu ainda concluir que aproximadamente metade dos profissionais de saúde realizou formação contínua regularmente nos últimos 5 anos e destes, em 63% dos casos, a formação era de suporte ao desenvolvimento de actividades de EpS. A quase totalidade destes profissionais aplicou os conhecimentos adquiridos, sentindo, no entanto, necessidade de mais formação nesta área. Verificou-se que maior idade dos profissionais de saúde está associada a maior desempenho em EpS e à consideração da EpS como um processo em que se procuram clarificar valores. Concluiu-se ainda que à medida que aumenta a idade dos profissionais aumenta a tendência para desenvolvimento de actividades de EpS nas seguintes áreas: alimentação, hidratação, imobilidade, controlo de doenças, saúde mental, comportamentos saudáveis e dor. Constatou-se necessidades de formação nestas áreas. Observou-se que a relação interpessoal, enquanto intervenção terapêutica, foi aquela que mais se verificou e da qual resultou um maior número de categorias. Tal vem demonstrar que a prática dos profissionais de saúde tem como base a componente relacional e que todas as outras intervenções se suportam na solidez da qualidade da relação estabelecida. Verificase que a maior parte das restantes categorias estão no âmbito da comunicação, sendo por isso imprescindível o desenvolvimento de competências em comunicação em saúde por parte dos profissionais que exercem neste contexto. São também condições necessárias a ter em conta, as atitudes adoptadas pelos profissionais de saúde e a importância da comunicação visual na relação profissional de saúde - utente. Este estudo tem implicações para os profissionais de saúde, que poderão beneficiar directamente das suas conclusões, nomeadamente, a identificação das dificuldades e das estratégias que devem ser utilizadas no seu desempenho profissional, uma vez que a EpS é fundamental para os ganhos em saúde dos indivíduos e das populações e deve assumir um papel cada vez mais central no contexto da prestação de cuidados de saúde. Foram, igualmente, identificadas implicações organizacionais, políticas e para a investigação.
The Health Education (HE) is an important activity in the everyday practice of health professionals. The demographic, epidemiological and social changes that have occurred in last decades have caused a modification in the health care needs of the population. The increasing need for appropriated, ethically and financially supported responses, to deal with a good performance of the Health Systems, has suggested the establishment of multidisciplinary and intersectorial partnerships to provide long-term care, targeted at dependent individuals. Following the sustainability concerns associated with the health system, arise early hospital discharges that determine the increased importance of the health care provided at home. This is presented as the ideal place for care, in a continuity perspective, being integrated in the National Network for Integrated Continuous Care. The Integrated Continuous Care emerged as a strategy to meet the increasing needs of health care in a sustainable manner. The reforms undertaken in this context attribute responsibilities to the multidisciplinary Integrated Continuous Care Teams (ICCT) from the Health Centers Groups (HCG). This study aimed to: identify activities in HE, which are held in ACES in the Lisbon region, in terms of its importance, concepts, activities performed, organizational difficulties and constraints of the HE; to identify characteristics of the health professionals of the ICCT from the HCG of the Lisbon region; to describe the aspects related with the formation of the ICCT at a general level, in HE and training needs; and to characterize the therapeutic interventions of the ICCT professionals over dependent patients at their home. To achieve these objectives it was outlined an observational, descriptive and exploratory study, following a quantitative and qualitative approach. The population of this study were the health professionals from the multidisciplinary domiciliary teams of twelve HCG from Lisbon region, which resulted from the grouping of thirty-eight (former) primary health centers which were reorganized in the Primary Health Care reform, in 2008. It was also a participant in the study, a group of users of the Health Center of Mafra and another group of the Health Center of Pontinha, which are covered by the ICCT from the respective HCG. The instruments used in collecting data were questionnaires and semistructured interviews. The results showed that health professionals who belong to the ICCT give much importance to the HE. At the level of the performance in HE, the most valued aspect was to consider that it is an activity that must take into account the interests and needs of individuals. It was also concluded that the professionals believe that it should be given the same importance to the HE and treatment activities. It was also found that, generally HE activities take place often, although sometimes such activities are planned in the ICCT. This study allowed to conclude that about half of health professionals held training regularly over the past five years and that from these, in 63% of the cases, the training was to support development activities of HE. Almost all of these professionals have applied the acquired knowledge, feeling, however, need of more training in this area. It was found that older health professionals are associated with higher performance in HE and to the consideration that HE is a process in which they aim to clarify values. It was also concluded that with increasing age increases the tendency for HE development activities in the following areas: nutrition, hydration, immobility, disease control, mental health, health behaviors and pain. It were training needs found in these areas. It was observed that the interpersonal relationship as therapeutic intervention was the most verified and from which resulted a larger number of categories. This proves that the practice of health professionals is based on the relationship and that all other interventions are supported on the stability of the quality of this relationship. Most of the other categories are in communication and is therefore essential that the health professionals in this context develop skills in health communication. It is also needed to take into account the attitudes taken by health professionals and the importance of visual communication in the relationship between health professional and patient. This study has implications for the health professionals who can benefit directly from its conclusions, namely, the identification of difficulties and the strategies which must be used in their professional activity, since HE is fundamental to the health gains of individuals and populations, and should assume an increasing central role in the context of health care delivery. It were also identified organizational implications, political and for research.
Descrição: Tese de Doutoramento em Psicologia na especialidade de Psicologia Clínica e da Saúde apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/2562
Aparece nas colecções:Psicologia Clínica e da Saúde / Clinical and Health Psychology

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pedro Lucas.pdf4,96 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.