Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/2417
Título: Hiperespaços multimédia : criar, mediatizar e explorar conteúdos para aprendizagem a distância
Autor: Bidarra, José
Orientador: Marques, Maria Emília Ricardo
Guimarães, Nuno
Palavras-chave: Ensino a distância
Novas tecnologias
Tecnologia digital
Internet
Internet
Interatividade
Elearning
Sistemas abertos de ensino
Sistema multimédia
Mapas conceptuais
Ensino virtual
Comunicação educacional
Comunicação multimédia
Teoria da educação
Hipermédia
Projetos
Videoconferência
Páginas Web
Hipertexto
Estudo de casos
Learning styles
Cognitive and emotional indicators
Cognitive mapping
Online learning
Interactivity
Hyperscapes
Internet
Web
Multimedia
Digital video
Data de Defesa: 2001
Citação: Bidarra, José - Hiperespaços multimédia [Em linha] : criar, mediatizar e explorar conteúdos para aprendizagem a distância. Lisboa : [s.n.], 2001. 337 p.
Resumo: A investigação que realizámos pode ser descrita como um olhar prospectivo que relaciona as potencialidades da tecnologia existente actualmente com necessidades pedagógicas, sociais e culturais dos aprendentes nos dias de hoje. As tecnologias digitais, nomeadamente as baseadas na Internet, são um campo privilegiado para este tipo de investigação porque a sua expansão constitui um fenómeno cultural e social relativamente recente e que parece afectar de forma irreversível os processos de ensino-aprendizagem. Muitas das características da Internet e da World Wide Web são radicalmente diferentes dos média usados até agora nos sistemas de ensino, por exemplo, a possibilidade de acesso (quase) imediato a enormes repositórios de informação e a capacidade de facilitar a comunicação interpessoal (síncrona e assíncrona) à escala planetária. No entanto, existem outras características da Internet, e da Web em especial, que podem ser exploradas em sistemas de ensino-aprendizagem. É o caso da integração de materiais multimédia e da capacidade para construir materiais hipermédia. Estas possibilidades tecnológicas interessam especialmente porque vão ao encontro de variadas teses defendidas por cientistas cognitivistas e construtivistas ao longo das últimas décadas. Através deste estudo e do projecto UNIBASE (Programa PRAXIS XXI), foi possível testar a aplicação de algumas dessas ideias e observar a implementação no terreno de novas tecnologias de informação e comunicação em rede. Fundamentalmente, procurámos identificar quais são as condições necessárias para precipitar a emergência de modos de aprendizagem realmente eficazes com base nas tecnologias actualmente disponíveis. Perante este quadro, no sentido de descrever o estudo que efectuámos sobre essa nova relação pedagogia-tecnologia, adoptámos uma abordagem muito próxima do conteúdo semântico do binómio I&D (Investigação e Desenvolvimento), baseando-nos em observações e experiências que cobriram, de uma forma sistemática, algumas aplicações de tecnologias multimédia em rede. Partimos do conceito original de “hipertexto”, tal como foi pensado inicialmente por Vannevar Bush nos anos 40 e implementado por Ted Nelson nos anos 60, isto é, como processo cognitivo essencialmente baseado na linguagem escrita e na linguagem gráfica, permitindo a apropriação e o desenvolvimento não-linear de ideias e conceitos novos. O conceito “não-linear” é importante. Sempre que pensamos sobre o que nos rodeia constatamos que o fazemos de um modo não-linear... No entanto, desde crianças aprendemos a “linearizar” os nossos pensamentos a fim de os podermos comunicar de forma coerente e perceptível para os outros, oralmente ou por escrito, condicionando a nossa capacidade criativa e a nossa inteligência colectiva. Assim, neste estudo pretendeu-se verificar a capacidade de ensinar e aprender através de tecnologias digitais em rede, essencialmente com características não-lineares, que permitem tornar mais eficaz o esforço cognitivo (individual e colectivo). Importa também realçar que este processo que levou ao desenvolvimento de hiperespaços, em que participaram estudantes, professores e tecnólogos, potenciou o acumular de um corpo de conhecimentos que a todos veio beneficiar. Alguns aspectos da colaboração discentes-docentes foram, entre outros, a clarificação de conceitos importantes, a demonstração de noções pela prática, a definição de termos, a apresentação de exemplos e a compilação de referências. Ao estudar os modos como professores e alunos desenvolvem hipertextos, a partir de mapas cognitivos ou de conceitos, foi possível compreender os mecanismos usados para dominar a complexidade da vasta informação disponível e identificar estilos de aprendizagem individuais. Por outro lado, ao estudar esses hipertextos com integração de materiais multimédia, tornou-se evidente a panóplia de estratégias cognitivas usadas durante a aprendizagem, tanto a nível individual como colectivo. Pela avaliação do grau de estruturação dos conhecimentos em mapas cognitivos (ou conceptuais), pudemos ajuizar o âmbito de conhecimentos dominado pelos aprendentes e as suas capacidades associativas. Esta abordagem holística complementa, em certos casos podendo mesmo substituir, a clássica avaliação por exame final, a qual, como é sabido, tende a reduzir drasticamente o âmbito e a profundidade de uma avaliação de conhecimentos.
This research can be described as a prospective glance that relates the capabilities of the current technology with the pedagogic, social and cultural needs of the learners in our society. Digital technologies, namely those based on the Internet, are a privileged field for this kind of investigation because their expansion constitutes a cultural and social phenomenon, a fairly recent one that seems to affect teaching-learning processes in an irreversible way. Many characteristics of the Internet and the World Wide Web are radically different from the media used up to now in education systems, for instance, the potential to access enormous repositories of information and the ability to facilitate interpersonal communication (synchronous and asynchronous) in a global environment. However, other characteristics of the Internet and the Web exist that can be explored in teaching-learning systems, for instance, the integration of multimedia materials and the creation of hypermedia structures. These technological possibilities are very interesting because they can solve problems that have been addressed by cognitive scientists and constructivists in the last decades. Through this study and the opportunities created by project UNIBASE (PRAXIS XXI Programme), we were able to test the application of some of those ideas and to gain experience in the implementation of multimedia and telematic technologies. Basically, we looked at the conditions necessary to enable the emergence of learning modes that are effective in the current technological context. In this study we attempted to survey the new relationship established between pedagogy and technology while adopting the basic concept of R&D (Research and Development), to support our observations and experiences. More specifically we covered, in a systematic way, the application of multimedia technologies for network-supported learning. We adopted the original concept of “hypertext”, just as it was initially suggested by Vannevar Bush in the forties and actually implemented by Ted Nelson in the sixties, as a cognitive process essentially based on text and graphics that enable the appropriation of knowledge and the non-linear development of ideas and concepts. The concept “non-linear” is important. Whenever we think about what we feel or about what surrounds us we do it in a non-linear way. However, from childhood we learned to sequence our thoughts in order to communicate them in a coherent and perceptible way for other people, as a result we limit our creative capacity and our intelligence. In this study we verified the capacity to teach and to learn through digital technologies, based essentially on its non-linear characteristics, to enable a more effective individual and collective cognitive effort. Last but not least, we acknowledge that this process that lead to the development of fractal hyperscapes involving students, tutors and educational technologists, enabled the accumulation of a body of knowledge that represented an added-value to all involved. Examples of collaboration between learners and tutors were, among other, the clarification of important concepts, the demonstration of important notions for the practice, the definition of terms, the presentation of examples and the compilation of references. After studying the modes of hypertext development, departing from cognitive mapping, we were able to understand the mechanisms used by learners to dominate the complexity of the vast available resources. On the other hand, while studying those hypertexts with integration of multimedia materials, the range of cognitive strategies used during the learning process became evident, both at individual and at collective level, and learning styles could be easily identified. By evaluating the structure of the knowledge in cognitive maps (or concept maps) we could judge the range and depth of knowledge dominated by the learners. This holistic approach complements, in certain cases can even substitute, the traditional assessment based on a final examination, a practice that it is known to fail drastically in addressing the range and depth of acquired knowledge.
Descrição: Tese de Doutoramento em Ciências da Educação na especialidade de Comunicação Educacional apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/2417
Aparece nas colecções:Comunicação Educacional / Educational Communication

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TD_JoseBidarral.pdf4,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.