Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.2/2211
Título: Crenças, atitudes e práticas de saúde reprodutiva em Timor-Leste : uma abordagem intercultural
Autor: Manuel, Helena Isabel Borges
Orientador: Ramos, Natália
Palavras-chave: Interculturalismo
Grupos étnicos
Etnolinguística
Saúde
Reprodução
Gravidez
Nascimento
Costumes e tradições
Rituais
Timor-Leste
Interculturality
Ethnic and language groups
Reproductive health
Traditional beliefs and practices
Birth rituals
East Timor
Data de Defesa: 2012
Citação: Manuel, Helena Isabel Borges - Crenças, atitudes e práticas de saúde reprodutiva em Timor-Leste [Em linha] : uma abordagem intercultural. Lisboa : [s.n.], 2012. 732 p.
Resumo: Ao longo dos anos tem ocorrido, em Timor-Leste, um processo de intensificação dos contactos interculturais, quer entre timorenses pertencentes a diferentes grupos etnolinguísticos, quer entre timorenses e outros povos, alguns dos quais exercendo autoridade. Apesar das transformações operadas na sociedade a diversos níveis, subsistem algumas das suas instituições e valores tradicionais. O presente estudo, de cariz etnográfico, tem como objectivos de investigação descrever e comparar crenças, atitudes e práticas de saúde reprodutiva de timorenses pertencentes a diferentes grupos etnolinguísticos de Timor-Leste; e identificar modificações no comportamento de saúde reprodutiva dos timorenses, resultantes do contacto entre culturas. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e comparativo, que tem por base uma metodologia qualitativa. O trabalho de campo foi efectuado em dez dos treze distritos de Timor-Leste, em meio rural e urbano, e abrangeu onze grupos etnolinguísticos. Mediante um processo de amostragem em cadeia, tipo “bola de neve”, foram recolhidos dados provenientes de informadores privilegiados, profissionais de saúde prestadores de cuidados de saúde reprodutiva, parteiras tradicionais, mulheres e casais com filhos. A recolha de dados foi efectuada com recurso a entrevistas exploratórias e semi-estruturadas, à observação directa e participante e à observação fotográfica e fílmica. Na análise dos dados foi utilizada a técnica da análise de conteúdo. Concluímos que a cultura exerce uma forte influência sobre o comportamento das mulheres e famílias desde a concepção até ao período pós-parto. Existe uma grande diversidade etnolinguística/cultural em Timor-Leste, e muitas das crenças e práticas relativas à saúde reprodutiva não são generalizáveis a todo o país. A fecundidade é elevada e há uma preferência generalizada por famílias numerosas, com curtos intervalos entre nascimentos e baixo recurso à contracepção. Apesar da implementação dos programas de planeamento familiar, primeiro pela Indonésia, e mais recentemente pelo Governo timorense, muitas mulheres têm falta de acesso a informação e a métodos contraceptivos. Factores de ordem sociocultural exercem, por sua vez, grande influência a este nível. Há determinadas recomendações, tabus e restrições que rodeiam a mulher grávida, que visam proteger a mãe e o feto de danos físicos. A maior parte das mulheres recorre à consulta pré-natal dos estabelecimentos de saúde, mas também há muitas que consultam a parteira tradicional quando têm problemas durante a gravidez, para que ela verifique se o bebé está em boa posição, corrigindo-a se considerar necessário, ou para determinar o seu sexo. Há uma preferência generalizada pelo parto em casa, sendo geralmente assistido por familiares ou pela parteira tradicional. O período pós-parto envolve uma série de procedimentos baseados na permanência da mãe com o recém-nascido em casa, seguindo determinadas prescrições e restrições alimentares, e na aplicação de calor sob diversas formas. Actualmente, mantém-se a prática de diversos rituais tradicionais associados ao nascimento, apresentando variações regionais.
Over the years, a process of development of intercultural contacts has occurred in East Timor, both between Timorese belonging to different ethnic and language groups and between Timorese and other people, some of them being in a position of authority. Despite the changes occurred in society at various levels, some of its institutions and traditional values still remain. The investigation purpose of this study, which is of an ethnographic nature, is to describe and compare beliefs, attitudes and practices relating to reproductive health in respect of Timorese people belonging to different ethnic and language groups in East Timor, as well as to identify changes in the reproductive health behaviour of Timorese resulting from the contact between cultures. This study has an exploratory, descriptive and comparative character and the methodology used was of a qualitative nature. The field study was carried out in ten of the thirteen districts of East Timor, in rural and urban environments, and covered eleven ethnic and language groups. Data was collected from key informants, health professionals providing reproductive healthcare, traditional midwives and women and couples with children, through a snowball chain sampling procedure. The gathering of data was carried out by means of exploratory semi-structured interviews, direct and participant observation, and photographic and cinematographic observation. Content analysis was the procedure used for the analysis of the collected data. We concluded that culture has a strong influence on the behaviour of women and families from conception to the period after childbirth. There is a great ethnic and language / cultural diversity in East Timor and many beliefs and practices relating to reproductive health are not present in the whole country. The fertility rate is high and large families are generally preferred, with short intervals between births and little use of contraceptive methods. Despite the implementation of family planning programmes firstly by Indonesia and more recently by the Timorese government, many women do not have access to information and contraceptive methods. In turn, some factors of a social and cultural nature also have a great influence at this level. There are certain advices, taboos and restrictions relating to pregnant women, which aim at protecting the mother and the foetus from physical damage. The majority of women go to prenatal care appointments at healthcare institutions, but there are also many others who seek a traditional midwife when they have problems during pregnancy, so that she will verify whether the baby is in a good position and correct it if deemed necessary, or determine its gender. Home birth is generally preferred, the woman being usually assisted by relatives or by a traditional midwife. The postnatal period involves a series of procedures based on the home confinement of both mother and newborn, following certain recommendations and food restrictions, and the application of heat in various manners. Several traditional rituals associated with birth are still performed nowadays, with regional variations.
Descrição: Tese de Doutoramento em Psicologia na especialidade de Psicologia Intercultural apresentada à Universidade Aberta
URI: http://hdl.handle.net/10400.2/2211
Aparece nas colecções:Psicologia Intercultural / Intercultural Psychology

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TD_HelenaManuel.pdf90,42 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.